Dez fatores que colocam o casamento recente em risco

 

c366f-homem2
 

 

Você casou. A festa foi linda… Parentes, amigos, seu vestido, uma jóia rara, que foi do branco puríssimo até, digamos, meio sujinho, já no fim da noite, tal a festança! Você se acabou, afinal já estava há algum tempo juntos… Mas casar, casar mesmo, somente agora. Sonho realizado e também é claro que estavam juntos, mas não tão juntos assim, ele na dele, você na sua, dividindo momentos apenas.

 

Casar não significa que você de fato se conscientizou que algumas coisas mudaram… Tudo bem passavam alguns dias juntos onde hoje é seu apartamento, mas dividir a vida, isso é exercício diário. Ajustes se farão necessários, ele é uma pessoa, você outra e vão continuar sendo, mas sem boa vontade jamais serão um casal. Analisando alguns casamentos que se dissolveram ainda no nascedouro, constatei alguns comportamentos padrões… Aliás, ótimos se você deseja acabar com seu casamento, basta aplicá-los diligentemente no dia a dia.

 

Não é essa a sua intenção? Imaginei que não, porque senão qual o sentido de tanta festa, vestido branco, o Padre… Bem, então, minha amiga, você não está fazendo isso direito…

 

Veja bem: Não estou pregando o retorno de Amélia (aquela que era mulher de verdade), claro que não, mas convenhamos que ser mulher, esposa, é algo que se espera de quem se casa… O mesmo vale para ele. Repito: Sem esforço contínuo jamais serão um casal, é preciso se esmerar, se entregar mesmo. O resultado valerá à pena, afinal construir uma família é o que se sonha quando se casa.

 

Espero contribuir com as dicas a seguir, elas têm dupla função ou colocará finalmente seu casamento nos eixos, ou você poderá utilizá-las para detonar de vez com ele, a escolha é sua.

 

Regina Racco é professora de ginástica íntima, autora dos livros: O livro de Ouro do Pompoarismo, A Conquista do Prazer masculino e Pirulito e Outras Delícias, sexo para mestres na arte da sedução

 

 

 

  • Casei mas continuo sendo a filhinha da mamãe, portanto vou continuar almoçando lá, passarei três vezes ao dia em sua casa e você se vire aí, afinal você não comia antes de nos casarmos?
  • Casei mas nem por isso vou abandonar minhas amigas e minha vida social, tudo bem, podemos sair aos finais de semana juntos (para irmos para a casa da minha mãe), mas minhas festinhas com as amigas continuarão, afinal, trabalho e tenho que relaxar.
  • Cuide bem da casa, afinal não vou deixar que vire o pardieiro que você vivia antes quando, solteiro, reinava sozinho em seu apartamento  e não me importa a comidinha que você preparou para me surpreender, aquela pia lotada de louça você vai lavar antes de dormir.
  • Transforme-o no seu empregado… Funciona assim: Você manda, ele obedece, é simples. Volto a dizer que o oposto também é verdadeiro, mas hoje estou falando para você, noivinha que agora é esposa e o motivo é simples: Somos mulheres e temos o poder, podemos transformar nossa casa em um lar, ou na sucursal do inferno e muitas vezes, recém casados não conseguem discernir muito bem entre um e outro e saber dosar é a grande dica…
  • Ressalte seus fracassos, homem tem que ser pisado (fica mais macio), no final a sua intenção é boa, uma vida sólida e feliz, desde que ele obedeça, tudo bem.
  • Apoiá-lo por quê? Ele já é bem grandinho e você não se casou para ser sua babá…
  • Ou ao contrário, trate-o como uma criança sem iniciativa, mostre-lhe pacientemente ponto a ponto que ele deve seguir você sabe o que é bom para ambos então para que perder tempo discutindo?
  • Homem é tudo igual… Seja a sua mãe é bem mais fácil você manda e tem que pensar pouco (não reclame depois quando ele se insurgir e arrumar uma namorada na rua)
  • Durma de rolos nos cabelos, creme no rosto, ande à vontade em casa, afinal para que seduzi-lo, afinal vocês já casaram mesmo e é natural que o sexo role… Ou não?
  • Coloque sua opinião acima da dele, você tem um motivo plausível para isso, ele é imaturo e se você não “domesticá-lo” como as coisas se arranjarão? Ah, por via das dúvidas, mantenha um bom par de malas ao alcance, afinal, nunca se sabe…
Anúncios