Você sabia que idealizar pode atrapalhar a relação real?

 

Estarei vendo o que penso que vejo? Se temos dúvidas quando se trata de objetos, então o que se falar quando estamos observando pessoas?

Nem sempre somos quem aparentamos ser e muitas vezes conseguimos surpreender até a nós mesmos. Quem nunca teve um ataque de raiva e depois se perguntou como foi que fez aquilo? Somos humanos e passiveis de atos impensados. E se somos assim, o outro também é!

Legal quando conhecemos alguém e nos apaixonamos, assim, suavemente, observando e aceitando quem a pessoa é, policiando a mania de criar o que não existe.

Muitas decepções não são provocadas por quem nos cerca e sim por nós mesmos, porque no afã de ver perfeição onde só existe o humano, criamos tanto sobre a pessoa que nos interessa, que ela nem em sonho poderia imaginar e é claro, não conseguirá externar o que não é e que vive apenas em nossa imaginação fértil.

Julgar sem isenção é quase utopia, além de idealizarmos o outro, ainda julgamos, partindo de nossa própria visão.

Somos férteis em nossas verdades absolutas e se não controlamos essa nossa condição (normal em todos os humanos), poderemos pôr a perder uma relação que sem todas essas criações mentais, teria tudo para dar certo.

Claro que temos noção do erro que cometemos, mas realmente essa noção nos ajuda em alguma coisa? Tenho minhas dúvidas, já que idealizar é normal, como já disse, e o jeito para que isso não atrapalhe é ficar atento (a) ao que é real e o que estamos imaginando.

Somos seres complexos e se dá para fazer alguma coisa a esse respeito e enxergar claramente a realidade que nos cerca (e as pessoas de nossa vida) sem a capa ilusória criada por nossa mente, devemos investir nisso, sob pena de sofrermos por nossas próprias criações.

Regina Racco

 

Dicas da matéria:

  • Real ou irreal?
    Não imagine, observe. Fale e ouça, absorvendo o que é real e mostrando ao outro quem você é, assim se evita ilusões.

 

  • Além das palavras
    Gestos e atitudes demonstram muito. Redobre a atenção enquanto estão se conhecendo, isso ajudará a deixar os seres idealizados bem longe do seu relacionamento real.

 

  • Curta o que vê
    Principalmente no início do namoro, perguntas entremeadas de carinhos, surpresas, passeios demonstram mais de quem a pessoa é do que longos interrogatórios.

 

  • Simples e direto
    Assim deve ser a sua postura, deixe que o outro o conheça bem, o que evitará idealizações também da parte dele.

 

  • Perguntas teleguiadas
    São fatais para induzir respostas, mas que podem ser falsas, portanto evite perguntar já colocando a resposta que espera, como “eu adoro isso, e você”?

 

  • Conhecimento real
    Quando um casal se conhece verdadeiramente (sem a projeção ilusória), até o dia a dia se torna mais fácil e a cumplicidade perfeita.

 

  • Perfeição no sexo
    Sem as idealizações se abre espaço para se descobrir verdadeiros tesouros reais, o que no sexo é fantástico já que ambos se tornam parceiros perfeitos.

 

  • Suporte nas horas difíceis
    Quando conhecemos verdadeiramente o outro, se torna fácil poder socorrê-lo nas horas difíceis, porque conseguimos perceber quando algo não vai bem.

 

  • Humano, assim como você
    Aceite que ele ou ela sua, e apesar de cheiroso (a) podem ter “bodum” num sol escaldante. Idealizar perfeição só irá atrapalhar o real.

 

  • Vigilância constante
    Segurar a imaginação é atenção constante, se você deixá-la solta, logo estará mascarando o real. Exija sinceridade na proporção que é sincero, esse é o antídoto ideal.
Anúncios